Posts Tagged ‘CUS’

10 ANOS DE CUS! um depoimento afetivo

maio 20, 2017
traordinár.
Ano de 2007. Praticamente calouro, estudante do segundo semestre de Ciências Sociais, eu tinha deixado São Lázaro para viver, em Goiânia, a experiência do Encontro Nacional Universitário de Diversidade Sexual (o ENUDS), evento que foi um verdadeiro acontecimento na minha vida. O encontro por si só mereceria um texto à parte com as impressões e repercussões do mesmo naquilo a que chamamos de (minha) subjetividade. Para já, porém, sublinhemos apenas a potência da universidade em traçar (por vezes alargar) o campo do possível através dos saberes que produz e dos sujeitos cujo encontro promove.
Um encontro. Foi lá que, talvez mais ou menos no princípio da sua coqueluche, ouvi falar pela primeira vez nessa tal de teoria queer. Na ocasião também tomei conhecimento da existência de sua mais notável intelectual, a filósofa norte-americana de nome Judith Butler, a qual o grupo de ativismo de viés mais identitário com que viajei olhava com muita desconfiança.
 .
Como todo bom calouro das Sociais, estava interessado em militância política e havia eleito o Kiu! – Coletivo Universitário pela Diversidade Sexual, nome que, de modo nada proposital, seria o correspondente afrobaiano da resistência que a teoria queer engendra e que não cessa de propagar: abraçar a churria das ruas e ressignificá-la, requalificá-la.
 .
De volta à Bahia, ainda não iniciado na pesquisa social mas ávido por enveredar nesses estudos que certamente muito tinham me a dizer, dois grandes amigos com quem compartilhava apartamento, estudantes da Comunicação, contou-me a respeito de um jovem professor, recém-contratado pela então emergente UFRB, que estava interessado em criar um grupo de estudos sobre sexualidade vinculado à UFBA. Colling (quase nunca o chamávamos pelo primeiro nome) efetuava na sua carreira uma exitosa migração para outro campo de saber. E nós estávamos ali para nos beneficiar e participar desse processo.
 .
Éramos pouco menos de dez pessoas. Foi uma experiência muito bonita e sem ansiedades, eu diria que de engatinhamento e letramento coletivo. Uma amistosa e produtiva relação de horizontalidade e abertura pouco usual na academia era constitutiva. Espírito que acredito ter se mantido no CUS, acrônimo de Cultura e Sexualidade, nome algo excêntrico e ainda motivo de chacota para alguns. Um grupo sem vergonha, mas que no fundo sempre acreditou que o CUS poderia ser alvo de muitas coisas, inclusive de respeito e prestígio. O nome carrega uma marca que terminantemente parece orquestrar um desconforto no establishment.
 .
Colling escreveu um projeto e ganhou um concorrido edital da FAPESB, em um tempo em que ainda se investia em pesquisa no nosso estado e país. Nossas reuniões na linda salinha colorida do CULT (que, de tão bem transada, parecíamos estar em um portal que se abre – hoje entendo, prelúdio de muitas coisas) foram ficando mais interessantes. A pedidos do coordenador, sugeríamos livros nacionais e estrangeiros para comporem a nossa estante. Era uma alegria tragar o cheiro de cada um daqueles exemplares que jamais encontraríamos nas bibliotecas da UFBA.
 .
Embora estudantes ainda demasiado crus intelectualmente, Colling não demorou a nos estimular que escrevêssemos e apresentássemos os nossos trabalhos sobre a pesquisa carro-chefe do grupo. Atitude admirável que partia de uma confiança — às vezes rara, é verdade — na desenvoltura do alunato e reforçava com muito vigor um dos propósitos do grupo: um espaço de formação. O CUS ainda não contava com nenhum estudante de iniciação científica, trabalhávamos todos pelo prazer de estudarmos juntos, pelo prazer de estarmos juntos, pelo interesse temático. Sem ganharmos um centavo. É claro que para podermos fazê-lo contávamos com uma dose de “privilégios”.
 .
Lembro do entusiasmo ao trazermos a querida Larissa Pelúcio e a simpática Guacira Lopes Louro, autoras com quem aprendíamos, para compôr uma mesa na programação principal de uma edição do ENECULT. Algum tempo depois, também por iniciativa de Colling, escrevemos o projeto Stonewall 40+, determinante no que considero a projeção nacional do CUS e o início de profícuas interlocuções e alianças com o restante do Brasil.
 .
Como não poderia deixar de ser, o CUS foi se alargando e tomando proporções maiores. Já não éramos um grupo seleto de pessoas interessadas a estudar viadagem: o CUS atraía cada vez mais estudantes. E foi se tornando versátil; Colling tem razão quando afirma que o CUS não é apenas um grupo de pesquisa.
.
Embora desde o início tivéssemos muito clara — o que por vezes soava algo cômoda — a compreensão de que universidade também era lugar de fazer política, e que efetivamente o fazíamos, sempre esteve em questão a fácil polarização “academia X movimento social”. De sorte que não tardou a sentirmos necessidade de intervirmos e disputarmos espaços institucionais outros — mais ‘molares’ por assim dizer. Nos incomodava diversos posicionamentos dos movimentos LGBT mais ‘mainstream‘ e gostaríamos de propor perspectivas alternativas àquelas encampadas pelas políticas correntes. E o incômodo nunca se deu apenas no plano da abstração: éramos sujeitos de política de carne e osso.¹
 .
Hoje olho para a UFBA, para a pluralidade de corpos que a movimenta e anima, e que nos dão a convicção de que a universidade ainda está viva!, e observo já não ser a mesma de dez anos atrás. Me acostumei e gosto de atribuir esse colorido a, entre outros afetos, existência do CUS na Universidade Federal da Bahia. E não é difícil pensar (talvez já não seja tão simples enumerar) na atuação do grupo na cena cultural e política da cidade do Salvador.
 .
É com a satisfação de em algum momento ter colaborado com a escrita da história do CUS, de tê-lo como parte da minha própria trajetória e de poder ainda hoje acompanhar seus ousados e sempre instigantes desdobramentos que parabenizo os antigos e atuais integrantes do grupo. E a liderança de Colling, que com inteligência, energia e senso de articulação extraordinários, tem feito diferença na Bahia e alhures. Obrigado, Leandro.
 .
É certo que o CUS tem tornado essa universidade mais e mais inclusiva, tem se engajado com muita criatividade na urgente produção e circulação de novas narrativas sobre as formas de vida, mas é mais verdade ainda que isso é só o começo. Outros marcos virão.
 .
Porque hoje também eu estou em festa.
..
.
¹ Destaco, dentre vários, dois momentos em que é manifesta a envergadura e vocação política do CUS: a vaga conquistada pela ABEH, então presidida pelo Prof. Leandro Colling, no Conselho Nacional LGBT, e a publicação da obra de sua autoria “Que os Outros Sejam o Normal: Tensões entre o movimento LGBT e ativismo queer” (EDUFBA, 2015). Embora o livro seja resultado de pesquisa só a partir de 2013 realizada, há muitos anos o professor revelava inquietação quanto à conjugação explosiva entre teoria e práxis, que entretanto apenas no seu estágio pós-doutoral na Universidade de Coimbra pôde explorar de modo mais meticuloso e abrangente. Trata-se da expressão máxima desse interesse político originário que povoa o CUS e de uma tentativa de desenvolvimento e síntese em termos empíricos e teórico. Há duas resenhas disponíveis sobre o mesmo: na Periódicus (revista, aliás, editada pelo CUS), e na Feminismos.