Archive for setembro \13\UTC 2011

Saberes puta

setembro 13, 2011

Ao chegar ao Enlaçando Sexualidades para assistir à primeira mesa-redonda do seminário, fui já surpreendido por uma performática senhora que, no decorrer da sua fala, revelou-se puta. Sim, puta, porque considerá-la como “profissional do sexo” seria impingi-la um politicamente correto cujo ideal asséptico ela é veementemente aversa. Em contraposição daquele que proferiu a conferência de abertura do evento, o deputado Jean Wyllis, ela não recorreu à Hannah Arendt ou a qualquer Foucault para embasar as suas reflexões. De fato, quem esperava uma militante profissional do sexo como quem esperou um parlamentar (e militante) homossexual, com esse tom de respeitabilidade de que estão impregnadas essas palavras – e performances – não pôde conter um sobressalto, ou um inesperado prazer. Gabriela [Leite] na mesa sobre o mundo do trabalho fez questão de relegar a nomenclatura “profissional do sexo” como uma categoria restrita a esse mundo a que ela foi convidada a falar; um conceito estranhamente forjado, quando em verdade é como puta que, na sua vida cotidiana, ela se identifica.

Ora, com esse produtivo deslocamento ela acabou por prôpor uma política da irreverência e da autenticidade, do gozo pelo execrável. Gabriela gosta de ser puta. Por isso recusa abandonar o estigma ao passo em que procura positivá-lo, uma vez que, ao contrário de muitos, desacredita na ideia de que um novo vocabulário para designá-la, mediado pelo politicamente correto, possa transformar sua marginalidade originária. Para ela o que o acionamento discursivo do politicamente correto faz é higienizar, normalizar, ocultar a operação de um preconceito arraigado – o que o impede de se constituir, portanto, como a via mais segura para empreendermos uma real conversão de juizos de valor.

Gabriela falou ainda sobre a confusão sociocultural que paira a respeito de conceitos tais quais sexo e corpo no seu mundo laboral, de modo que aquele que faz trabalho braçal é acusado de vender a sua força de trabalho, enquanto que a prostituta vende o seu corpo. Bem-humorada, ela lembrou que uma amiga a disse certa feita que se de fato vendesse o corpo, ela já nem mais existiria, de “tanto homem” pra quem já “deu”.
Outra confusão que geralmente é feita é entre tráfico de mulheres, turismo sexual e exploração sexual de menores. Ela defende que migração para o trabalho não é e nem pode ser confudida com tráfico. Assim, muitas mulheres que decidem ir à Europa a fim de “ganhar um dinheiro a mais” são vistas como vítimas que nem sabe que as são. Gabriela relata casos de policiais federais que, sabe-se lá com que evidência, caso desconfiem que a mulher está viajando para se prostituir, barram a sua ida.

gabriela leiteOutro ponto interessante da sua fala foi acerca da recente decisão das prostitutas de não mais aderirem ao programa de prevenção às IST/AIDS do Governo Federal. O seu breve comentário sobre o assunto enumerou a percepção de que durante sucessivos anos em seus encontros e reuniões a aids era insistantemente pautada, quando não o principal assunto a se discutir nos mesmos. Elas notaram que essa reificação da doença estava contribuindo para a conformação daquele grupo como um grupo de risco, uma vez que faziam da própria aids um ponto necessariamente em comum entre elas. Gabriela Leite deixa claro que posicionar-se não mais como transmissoras do vírus foi uma decisão política, a qual, inclusive, já tem repercutido bastante; recentemente um dos coordenadores do programa (do Ministério da Saúde) em Manaus disse a elas “Ah, é? Quer dizer que vocês não vão integrar o programa de prevenção a aids, né? Pois a Copa do Mundo está vindo aí, e quando os estrangeiros voltarem infectados para os seus países a culpa será de vocês!”.

Enfim, este escrito é uma mera tentativa de reproduzir, embora de modo demasiado sintético, a fala daquela dama – da noite ou do cassino – sobretudo para quem não se fez presente na ocasião. Algumas partes que também me afetaram foram deliberadamente suprimidas por estar certo da limitação da língua escrita de reconstituir a experiência em sua plenitude. Na verdade, mais que isso. Eu poderia até imitá-la, como o fiz com certo deleite para alguns amigos, mas então lançaria mão de um decisivo recurso: a performance. Para pessoas tão vivazes como Gabriela é impossível apartar o que ela diz dela mesma; por isso qualquer coisa que eu aqui escreva não vos tocará como a mim naquela manhã. De todo modo, compartilho as suas palavras e proposições porque ela traça no seu discurso, de modo mais ou menos assistemático, críticas à moral social que marca todas que se sentem putas. E que gostamos disso.