Vigilância insone, portão entreaberto

“Minha política é meu corpo, provendo e se expandindo com cada ato de resistência e com cada um de meus fracassos”

Adrienne Rich

Estava eu e mais dois amigos hoje umas quatro da tarde deixando a UFBA/Ondina pelo portão principal, quando havia um grupo de seguranças (que velam somente pelo patrimônio, vale frisar) entre risos e conversas, quando um deles comentou “olha, que coisa meiga”, claro, em tom de deboche, se referindo a mim, que, a título de curiosidade, como se não bastassem-me as madeixas, estava trajado numa calça com listras vermelhas e brancas, camiseta azul-turquesa desbotada (do tipo baby-look) e uma rústica bolsa capanga. Com tais vestes, no mínimo uma meiguice achariam. Não sei sou exatamente meigo, mas me sei itinerante entre gêneros, e certamente a sua fala foi uma denúncia da minha ousadia, mas não só numa liberal democracia pode ser interpratada como sanção a um evidente “desvio” à norma. Felizmente ou não, não escutei a voz do VIGIA, um dos meus amigos relatou o seu comentário quando já estávamos um pouco distante da Universidade, fato que me levou a não ter ânimo para voltar, mesmo porque tenho certeza de que me aborreceria muito com aqueles homens, e a minha defensiva momentânea foi calar o que nem mesmo cheguei a ouvir. Caminhei mais um pouco, e me arrependi de não termos voltado. Me senti um pouco covarde, por uma lamentável atitude de conformismo, porque senão todos os dias, quase todos os dias, com um olhar que seja, como tantas e tantos, sinto a soberania do meu corpo ameaçada, e olha que nem sequer toquei na temática da sexualidade, mesmo que ela esteja implicitamente articulada com o discurso de regulação do corpo. Ironicamente, havíamos concluído (mas não esgotado) o estudo do livro Problemas de gênero, da Judith Butler, no qual, discutindo com outros/as autores/as, ela verifica a incessante tentativa do sistema de heterossexualidade compulsória em vedar as superfícies do corpo, tornando assim, o sujeito inteligível dentro de limitadas permeabilidades. No entanto, como os seguranças da Universidade puderam constatar, o binarismo entre homem e mulher é uma ficção, sendo que reside sobretudo no nosso corpo, que é sempre contingente, a potencial subversão das categorias do gênero, que só o é enquanto atos performativos significantes.
Fui caminhando, maturando o acontecimento e processando a sua repercussão reflexivamente. Preocupante onde quer que seja, mas o é ainda mais nesse espaço social que nos é cotidiano. Inadmissível ser tratado de tal maneira, ainda mais por alguém que presta serviço (seja ou não vinculado formalmente) à própria instituição. Enfim, eu gostaria de compartilhar convosco tais angústias, sobretudo a de ter-me calado diante disso…

Tags: , , , , ,

3 Respostas to “Vigilância insone, portão entreaberto”

  1. Fernanda Says:

    🙂
    Que bom Maycon que você é um blogueiro! Vai ser bom pro grupo.

    Sobre o texto… fiquei pensando em pessoas que tecem comentários sobre as outras em voz alta, sejam eles comentários de gênero ou não… elas querem mesmo é provocar uma reação, discutir publicamente, mostrar que elas são melhores em alguma coisa (na cabeça delas, claro). reagir ou não, acho que não faria muita diferença… quem sabe o porquê deles, não é mesmo? eles devem comentar também sobre gordinhos, albinos, pretos, gostosas, etc etc.

    Abraço!

  2. Pedro Says:

    Maycon, essa tua cara de Caetano imitando Glauber Rocha vestido num babyloock azul turqueza (vc tbm é de Oxossi, nego?) é um tipo de agenciamento que não é fácil de aturar — para uns — ou de não desejar — para uns outros. Olha, a Fernanda deve ter razão quando supõe que o tecelão do comentário ao brada-lo em bom som propunha uma discussão pública, ao mesmo tempo que se auto-afirmava na soberania de ser macho. Talvez ele só quisesse te foder. Agora, penso que ela está absolutamente errada quando diz que não faria diferença sua reação. Ela é provavelmente uma amiga com aquele desvio de caráter chamado piedade. É evidente que faria diferença. Não há nada indiferente entre as ondas de caos e cosmo. No entanto é verdadeiramente imponderável saber se reagir é a atitude mais potente, mais cheia de vida, alegria & liberdade. E exatamente por isso, pela imponderabilidade do que poderia ter sido e nunca foi, que sofrer pelo “se” é uma estupidez grosseira. De forma que eu te desejo encontros alegres, potentes. E se quiser passear por Florianópolis, está convidado. Pode vir de babyloock. Ou sem.
    Abraços. Há braços de encurtar distâncias.

    P.S. off-topic: para tomar chá é preciso saber tocar tambor.

  3. Maçãs na cabeceira – III | O Último Baile dos Guermantes Says:

    […] pessoais mais comezinhas, seja num comboio em Portugal ou numa enseada do Rio Vermelho ou no Campus de São Lázaro, onde a maconha é liberada, mas a viadagem o é bem menos que o furto, o assalto, o estupro e o […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: